Seja bem-vindo ao Gossip Gilr Brasil, sua primeira, maior e melhor fonte brasileira sobre a série Gossip Girl e seus atores. Aqui você encontrará informações sobre seus projetos, campanhas e muito mais, além de entrevistas traduzidas e uma galeria repleta de fotos. Navegue no menu abaixo e divirta-se com todo o nosso conteúdo. Esperamos que goste e volte sempre!

Untitled Document

Arquivo de 'Penn Badgley'



postado por Gabrielle Polary e categorizado como Penn Badgley
16.09.2019

Neste domingo (10), Penn Badgley foi fotografado por paparazzi enquanto conversava com um amigo em West Village, bairro de Nova York. Confira as fotos do flagra em nossa galeria:

postado por Isadora Marques e categorizado como Penn Badgley
03.09.2019

Penn Badgley compareceu no dia 03 de setembro à abertura do torneio de tênis The 2019 US Open.

Confira os cliques em nossa galeria:

 

postado por Gabrielle Polary e categorizado como Penn Badgley, Séries, YOU
25.07.2019

Penn Badgley concedeu uma entrevista com exclusividade para o site ET Online, na qual revelou detalhes sobre a segunda temporada de YOU, série da Netflix protagonizada por ele.

Durante a maior parte do ano, Penn Badgley fez as rondas dissertando, discutindo e, mais recentemente, tuitando sobre você. O thriller psicológico provocativo, adaptado do best-seller de Caroline Kepnes, explora o gerente de livraria Joe Goldberg e sua crescente paixão por uma garota, Beck, que se torna mortal ao invés de romântica. Originalmente uma série da Lifetime, na qual teve um limitado sucesso no ano passado, a mudança para a Netflix meses depois foi recompensada quase que imediatamente. YOU explodiu. “Esperávamos uma explosão de audiência na Netflix, mas não poderíamos prever que aconteceria dessa forma. Realmente pareceu envolver as pessoas por um momento ”, diz Badgley, com uma pitada de espanto evidente em sua voz.

É final da tarde no Dia das Mães e Badgley, 32 anos, está no carro para encontrar sua mãe para jantar em um restaurante de Los Angeles quando ele liga para conversar sobre YOU e o crescente falatório em torno dela. Pela próxima meia hora, a conversa flui da obsessão “fascinante” do público (a cultura da sede) com o (anti) herói polêmico de Badgley para a inesperada empatia que ele às vezes sente por Joe diante das circunstâncias perturbadoras da *SPOILER ALERT* morte de Beck que ainda o assombra até hoje. Definitivamente não são assuntos confortáveis para tratar no jantar com a mãe.

“Foi gratificante ouvir as falas inteligentes e sensíveis em torno deste personagem e em torno desta série, seja de um jornalista em uma entrevista ou de alguém na rua que tenha visto e apreciado meu desempenho”, diz Badgley, que utilizou YOU e sua exploração da masculinidade tóxica (embora através de meios mais lascivos), como uma ferramenta para trazer à tona os padrões pelos quais os homens brancos são mantidos. “Estou gostando disso porque não necessariamente tem que ser assim. Com uma série como a nossa e um papel como esse, poderíamos ter caído de cara no chão, você sabe o que quero dizer?”

Mas nem todo mundo se envolveu dessa maneira com o personagem, que recorre à matança em busca de sua falsa ideia de amor. Analise o Twitter por tempo suficiente e você verá vários tweets de espectadores comentando sobre o quão “atraente” Joe é ou pedindo a Badgley para “sequestrá-los”, à la sua personagem. (Em resposta à romantização de Joe, Badgley lembrou aos fãs em janeiro que o personagem é, sem rodeios, “um assassino”.) É uma realidade que Badgley, o qual usa suas contas nas mídias sociais como plataformas para incitar ação e consciência diante de questões do mundo real, como a crise humanitária no Iêmen ou a reunião de famílias de imigrantes que foram separadas, teve que consertar várias vezes.

“Nós, como criadores da série, e eu, como ator, certamente queremos assumir a responsabilidade por ele ser simpático do jeito que ele é”, ele reconhece. “Eu não quero apenas dizer que é problemático e que os próprios espectadores têm uma reação problemática, acho que o que é inspirador é que no momento em que estamos lutando pelo empoderamento das mulheres e pela igualdade entre homens e mulheres, também somos simultaneamente capazes de sermos por um personagem como Joe. Isso mostra quão profundamente enraizados muitos desses padrões e normas são a ponto de amarmos ver um cara se comportando como ele. De certo modo, Joe é um ótimo revelador cultural para dizer: “Ainda temos muito trabalho a fazer.”

A ex-estrela de Gossip Girl, que estava filmando a segunda temporada há três meses quando nos conectamos pelo telefone, admite que ainda está “aprendendo, ao lado de todos”, sobre os motivos que levam Joe às profundezas da escuridão, embora ele tenha uma “melhor compreensão” porque ele está o recebendo do jeito que é – mais do que ele fez na primeira temporada. “O que falar sobre Joe Goldberg?” Badgley pergunta, principalmente para si mesmo. “Eu senti que, em todas as entrevistas, eu estava realmente aprendendo alguma coisa. Acho que isso continuará quando a segunda temporada for lançada porque muda e é mais expansiva”.

Não é preciso muito para Badgley  separar Joe, o personagem, de Penn, a pessoa. O truque para separar os dois, diz ele, é tratar Joe como uma pessoa comum andando pela rua, por mais complicado que isso seja. “Eu realmente me concentro em sua curiosidade, sua sensibilidade e sua natureza investigativa”, diz o ator, em vez de se concentrar no maior ponto de tudo isso – o fato de ser um assassino psicopata com intenções duvidosas. “Ele é um fixador. Ele é um herói em sua mente, então ele se esforça para fazer todas essas coisas e usa todos os meios possíveis para chegar ao resultado que ele acredita ser o certo. ”

Badgley falou sobre as as dificuldades que ele conciliava com muitos atos imperdoáveis de Joe. Sua perspectiva não mudou, mas agora há uma camada adicionada a ela. “Vejo inconsistências em Joe porque ele não é especificamente um retrato clínico de um serial killer”, observa Badgley, apontando para o Mindhunter da Netflix como algo que serve a esse propósito. “Ele parece ser uma personificação das muitas ideias que temos sobre homens e mulheres, romance e amor.” Ele faz uma pausa, quase como se estivesse admitindo as contradições que desmentem Joe. “Mas então, como personagem, vejo-o como um verdadeiro ser humano honesto tentando amar. Como ator, muitas vezes é perigoso pensar em seus personagens dessa maneira, mas eu sinto que, com Joe, é de alguma forma uma dimensão necessária disso. ”

Se você pedir a ele para relembrar o assassinato que mais o afeta na primeira temporada, Badgley é rápido com sua resposta: “A morte de Beck, mesmo que não tenha acontecido na câmera.”  Depois de uma onda de idas e vindas sensacionais, Beck descobre os verdadeiros indícios assassinos de Joe no final, o que resulta na sua furiosa tentativa de escapar do porão da livraria trancada, a qual a faz apenas ser dominada por Joe, que abruptamente a puxa para trás. Presumivelmente, descendo as escadas, pronto para infligir o golpe fatal (ou torcer o pescoço?).

“Há uma retrospectiva disso com Joe no segundo episódio da segunda temporada, em que você consegue ver um pouco mais da dura realidade do que ele fez com ela”, insinua Badgley, “enquanto você é meio que, feliz ou infelizmente, misericordiosamente salvo de ver isso na primeira temporada. Isso sempre me persegue, pensando em Beck. Tipo “Você realmente fez isso na primeira temporada, e nós ainda estamos indo em frente, e as pessoas realmente gostam desse cara ?!” Isso é perturbador. Em sua mente, ela nem está morta. ” Ele para por um momento, sentindo a necessidade de esclarecer o que acabou de dizer, para não começar qualquer boato imprudente. “Eu não estou dando a você algum tipo de spoiler; ela está morta. Em sua mente, todos ainda estão vivos porque a dor que ele ter sofrido nas mãos deles ainda está muito viva ”.

Para Badgley, as cenas mais perturbadoras não são aquelas em que Joe inflige terror violento; elas geralmente são os momentos depois, onde as consequências são reveladas. “É onde estou tentando incorporar Joe realmente vivendo naquela casa, realmente tendo esses raros momentos de enxergar o que ele fez, e isso é muito mais difícil do que cometer um certo ato em um momento, seja batendo em Shay Mitchell na cabeça com uma pedra ou esfaqueando alguém no pescoço ”, ele reflete. “Há algumas coisas que fiz com corpos artificiais nesta [nova] temporada que foram meio nauseantes da forma como eu fiz, vou dizer isso.”

Quando YOU brevemente adentrou a infância de Joe em um episódio anterior, revelando o abuso que sofreu nas mãos de seu mentor e figura paterna, o proprietário da livraria Sr. Mooney, teria sido possível para alguém se deparar com um dilema moral: Eu deveria me sentir mal agora? Badgley, no entanto, está convencido de que a criação trágica de Joe não o absolve – nem mesmo um pouco – das coisas horríveis que ele fez desde então. “Esta é uma pessoa que inconscientemente e às vezes conscientemente repete padrões de abuso e trauma. Joe faz com que o espectador reflita mais sobre si mesmo e se pergunte: “Por que eu gosto tanto desse cara, não importa o que ele faça?” Eu sinto que o que eu ouço de muitas pessoas é: “O que está errado comigo?” Não estão perguntando o que há de errado com ele, e eu gosto disso. Se uma obra de arte da qual você faz parte pode inspirar esse tipo de reflexão, isso é interessante. ”

Baseado na sequência do romance de Kepnes, Hidden Bodies, a expectativa para o segundo ano da série tem aumentado ao longo dos últimos meses. O ator não se preocupa em corresponder às expectativas. “Se você pensar muito sobre isso, é apenas a morte para o seu desempenho”, diz Badgley, desinteressado em continuar no ponto. Mesmo assim, ele compartilha que os dois primeiros episódios estão “aparentemente se saindo muito bem”, claramente um ponto de satisfação para ele.

O que ele vai dizer sobre a nova temporada é que grande parte do DNA que fez YOU se tornar viciante ainda permanece intacto. Os personagens são capazes de fazer mais e mais coisas revoltantes, mas a série não “cruzará a linha de forma agressiva”, como diz Badgley, só porque está em uma plataforma menos restritiva. “Há certas liberdades de que agora podemos aproveitar, mas é basicamente o mesmo programa.”

Com a filmagem mudando de Nova York para Los Angeles, uma nova mulher vai chamar a atenção de Joe, a aspirante a chef Love Quinn, interpretada por Victoria Pedretti, de Haunting of Hill House. “Estou muito animado para as pessoas conhecerem Love. Ela adiciona uma dimensão que ainda não existia “, adianta Badgley. “Há um lado de Joe que ainda não vimos, porque sua personagem, de certa forma, é o oposto de Beck.”

“Joe estava sempre tentando chamar a atenção de Beck, quase contra os próprios instintos e vontade dela, enquanto Joe está tentando ser melhor. E o amor não permite que ele diga “não” para ela, mesmo que ele esteja tentando desesperadamente “, acrescenta. “É muito diferente entre Joe e Love do que com Beck, e graças a Deus, porque você não pode fazer isso de novo. Isso seria  brutal. Para mim, seria irresponsável se fizéssemos a mesma coisa novamente ”.

Enquanto os fãs aguardam o próximo capítulo da saga de Joe Goldberg, Badgley está fazendo o melhor para manter o barulho à distância e se concentrar no trabalho. “É fisicamente e emocionalmente exaustivo. Ele tem muita coisa a assumir ”, ele diz, chamando-a de uma “experiência abrangente ”.“ Tipo, eu joguei minhas costas na sexta-feira apenas para essa cena em particular ”, deixando de lado os detalhes.

“Há algo em sua mente que eu entendo. Quanto mais natural e confortável eu fico em sua pele, mais praticidade eu tenho em realizar toda a ginástica mental e emocional para fazer suas ações apenas na minha mente”, acrescenta. “Às vezes pode ser uma experiência insular, porque ele está contando três mentiras diferentes em uma cena, e são mentiras profundas. Até certo ponto, pode ser uma experiência bastante isolante”.

“Eu sinto que o Joe é um portal estranho para mim, onde, apesar de eu tomar um pouco como um peixe na água, a água é extremamente poluída”, admite Badgley, “e eu não quero ficar nela mais do que eu preciso. “

Fonte: ET Online

Tradução & Adaptação: Equipe Upper GGFans

postado por Isadora Marques e categorizado como Penn Badgley, Séries, YOU
07.06.2019

Penn Badgley e Gina Rodriguez debatem sobre o porquê de seu personagem em “You” está longe de ser um herói.

Após estrelar como Dan Humphrey em Gossip Girl – série dos anos 2000, Penn Badgley recentemente estreou na série “You” onde interpreta o stalker e assassino (Joe Goldber). A primeira temporada da série foi ao ar na Lifetime e terá a sua sequência na Netflix. Gina Rodriguez que é a protagonista de “Jane the Virgin” ganhou globo de ouro e atua pela CW ao longo de 5 temporadas.

PENN BADGLEY: Acabei de assistir você passar por vários casamentos e noivados. Eu assisti ao seu programa nos últimos dois dias.

GINA RODRIGUEZ: Me casei várias vezes e agora vou me casar de verdade. Meu noivo (agora marido) dizia: “Não desperdice todas as suas lágrimas em um casamento falso”. Eu me envolvi há dois dias. Mas eu me sinto completo. Eu sei há duas temporadas que terminaríamos na quinta temporada. E você sabe como é poder concluir algo. Eu assisti “Gossip Girls” como uma louca.

PB: “Gossip Girl“.

GR: Desculpe!

PB: Tudo bem.

GR: Com “You“, vocês tiveram uma vida em outro lugar. Estar na Lifetime e não ver seu potencial, mas depois ir para outro serviço como o Netflix e ser exposto a muito mais pessoas.

PB: Foi uma experiência de quase morte. Houve um período de duas semanas em que fomos tecnicamente cancelados.

GR: Tudo o que eu conseguia ler era sobre o desejo de seu personagem. E seu personagem não é ótimo.

PB: Eu acho que a linha do tempo da Lifetime era “Até onde você está disposto a ir por amor?” Mas eu sempre pensei: “Não, não é isso.” Para mim, é como: “Até onde estamos dispostos a ir perdoar um homem branco mau?

GR: O que há com seus olhos malucos?

PB: Isso é algo sobre o qual as pessoas falam. Eu fico pensando “Isso não é atuar?

GR: Eu faço expressões faciais loucas em “Jane“. Elas sempre são tiradas de alguém que eu vi no trem em Nova York.

PB: Isso é totalmente estranho para mim. Não acho difícil acessar o que aparentemente as pessoas definem como astúcia ou até raiva. De alguma forma, as pessoas acham mais desonesto e charmoso. É como: “Estou matando pessoas na próxima cena“. E talvez haja algo nisso, que ainda não tenhamos evoluído o suficiente para não sermos atraídos. Essa é a coisa do homem branco malvado. As normas culturais nos inclinam a perdoar um certo tipo de pessoa, ou seja, alguém que se parece comigo, menos alguém que se parece com você. O personagem titular no meu caso é alguém que está fazendo coisas imperdoáveis e mesmo assim continuamos tentando descobrir como é que vamos perdoá-lo. Eu recebi muitas respostas no Twitter. Muito do que gostamos de chamar de sede.

GR: Ah, sim.

PB: Então eu tive essa resposta medida: “Talvez nos verifiquemos um pouco.” E fiquei muito satisfeito e surpreso ao ver o quanto isso elevou a conversa em torno dela. Eu acho que, se você não tomar cuidado, porque está no Netflix, você pode fazer isso com muita facilidade. E então você fica “Por que me sinto mal?” É uma coisa de meta. Você pode se apoiar no elemento da cultura pop e continuar a conversa fora da tela. Você descobriu isso, certo?

GR: Eu sinto que as complexidades da conversa sobre “Jane the Virgin” e a comunidade Latina são muito grandes. Porque a comunidade Latina não é monolítica. Portanto, é quase difícil ter a conversa em uma plataforma como o Twitter.

PB: O que eu mais gostei quando vi seu programa é que a plataforma positiva parece ser para mulheres jovens de todos os tipos.

GR: Foi bem ousado. Jennie Urman, o showrunner, queria escrever a história de uma mulher e, por acaso, colocou uma mulher morena no espaço. Eu acho que é por isso que ressoou tanto. Você ficou famoso por muito tempo.

PB: É chato para mim. Eu tenho um acrônimo para isso que acabei de criar. É horrível, cara, extremamente. Você está dançando no fio da navalha.

GR: Assim como: “Não me corte! Não me corte!

PB: Com que rapidez você sentiu?

GR: Eu tinha 30 anos, então eu era pobre por tanto tempo. Eu tinha sido um atriz lutando por tanto tempo. Eu não havia quitado minha dívida na NYU. Sempre parece imediato, porque você pensa: “Oh, eu estou lutando há 13 anos” para “Yay! Eu pago meu aluguel.” A única coisa sobre a fama é que é um teste constante do ego.

PB: E quando você vacila, é muito público. Quando você termina, é público.

GR: Ah, sim. Eu esqueci essa parte.

Fonte: Variety

Tradução e Adaptação: Equipe Gossip Girl Brasil.

Confira foto de ensaio em nossa galeria:

postado por Gabrielle Polary e categorizado como Penn Badgley
07.04.2019

Hoje (7), aconteceu o Deadline Contenders Emmy, que marca uma temporada de premiações da televisão. O evento aconteceu no Paramount Theatre, em Hollywood, e contou com 21 redes e estúdios apresentando seus principais projetos. Penn Badgley foi um dos artistas presentes nos painéis, para falar especificamente de “YOU”, série da Netflix protagonizada por ele. Penn comentou ao vivo sobre os próximos passos do show de TV, em um bate-papo exclusivo para convidados; confira fotos do painel e portraits em nossa galeria:

PAINEL DE “YOU”
PORTRAITS